Brasil ultrapassa 570.000 mortes na pandemia. CPI da Pandemia ouve advogado da Precisa Medicamentos sobre caso Covaxin. Em campanha internacional, Papa pede que pessoas se vacinem como “um ato de amor”. As últimas notícias da pandemia, ao vivo


Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar. Para receber gratuitamente nossa newsletter de segunda à sábado ―com reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as informações mais importantes do dia no seu e-mail―, inscreva-se aqui.

A Prefeitura de São Paulo começa a vacinar nesta quarta jovens de 16 e 17 anos contra a covid-19. Neste primeiro momento, receberão as doses as pessoas com comorbidades ou deficiência permanente, gestantes e puérperas. Os adolescentes devem ser acompanhados por um adulto responsável e apresentar documento de identidade, CPF e comprovante de residência. Na CPI da Pandemia, A CPI da Pandemia vai ouvir nesta quarta-feira, às 9h30, Túlio Silveira, advogado da Precisa Medicamentos. Ele é o representante legal da empresa na negociação da vacina indiana Covaxin, da Bharat Biotech, com o Ministério da Saúde. O contrato para a compra de vacinas foi cancelado pela pasta após depoimentos que revelaram uma pressão atípica para a aprovação do acordo e que implicaram o líder do Governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). O caso também levou o presidente da República a ser investigado no STF sob suspeita de prevaricação, por supostamente não ter agido para evitar ou mandar apurar as irregularidades. A pandemia já matou mais de 570.000 pessoas no país.